quinta-feira, 15 de agosto de 2019

MALEDICÊNCIA! PECADO ODIOSO E DESTRUTIVO!


Recentemente li um artigo de que tratava sobre 5 maneiras de se tratar o problema da maledicência na Igreja trazendo algumas observações e conselhos bastante salutares, que vou resumir aqui antes de prosseguir com algumas observações pastorais. Acredito que se cada cristão observar estes passos simples este mal pode ser erradicado de qualquer igreja, por mais que ela esteja acostumada a esta prática.

I.    MONITORE SUAS PALAVRAS: Antes de ouvir o que as pessoas tem a dizer, ouça o que você mesmo diz. Cuide do que você fala, para quem você fala e o que você quer alcançar com sua fala. Garanta que suas palavras são dignas dos lábios de um cristão, se são edificantes e não destrutivas.

II. EVITE POLUIR SUA MENTE: Seja cuidadoso com o que chega à sua mente porque tudo que lhe chega causa alguma impressão. Não aceite ouvir detalhes negativos sobre a vida de quem estiver ausente. Mude o tema da conversa, saia da presença desta pessoa ou afaste-a do convívio de sua casa imediatamente.

III. REAJA POSITIVAMENTE CONTRA A MALEDICÊNCIA: Rejeite educada e biblicamente participar de qualquer conversa maledicente. Não se deixe dominar pela mórbida curiosidade. Recorde às pessoas se o que elas vão falar merece ser dito para promover a fraternidade cristã e o evangelho de Cristo.

IV. DESCONFIE. SEMPRE HÁ MORTE NA ÁGUA: A maior parte do conteúdo de maledicências tem origem num coração amargurado e pode conter inverdades. Antes de perguntar se o que está sendo dito é verdadeiro, parta do princípio de que toda maledicência é má.

V. FAÇA A MALEDICÊNCIA TERMINAR EM VOCÊ: Você pode estar sendo usado como instrumento para passar uma maledicência adiante. Faça-a morrer quando chegar a você de duas maneiras: a primeira é não dando-lhe crédito, e a segunda é convidando o mexeriqueiro a ir conversar com a vítima deste mal. Se não conseguir, informe a pessoa agredida de que ela está sendo defraudada para que possa se defender.

Lembre-se que maledicência pode ser enquadrada como crimes de calúnia (acusar alguém de uma falta que não cometeu com o propósito de causar-lhe prejuízos) ou difamação (espalhar informações verdadeiras ou não a respeito de alguém com o intuito de prejudicar lhe).

A prática da maledicência é chamada de mexerico e mexericar equivale a atentar contra a vida de alguém. Observe que a ordem da Escritura, num dos livros da Lei, é que o crente não ande com quem tem esta prática como costume (Lv 19.16 - Não andarás como mexeriqueiro entre o teu povo; não atentarás contra a vida do teu próximo. Eu sou o SENHOR!). Preste atenção porque a Escritura nunca toma o nome do Senhor em vão.

Evitar o mexerico e o mexeriqueiro também é uma orientação da sabedoria divina (Pv 20.19 - O mexeriqueiro revela o segredo; portanto, não te metas com quem muito abre os lábios). O sábio é enfático: não te metas com o mexeriqueiro, não te deixes enredar por um especialista. Geralmente o que um maledicente fala diz mais sobre o seu próprio caráter do que sobre o caráter da vítima.

Como disse no princípio, quero encerrar com um conselho bastante salutar: não confunda o amor cristão com a omissão diante da prática do mal. O amor cristão não se alegra em ver a injustiça ser praticada. Ele rejubila com a verdade. Quando ouvir algo maldoso sobre alguém, busque o contraditório, dê ao outro o direito de saber do que é acusado e defender-se e não se esquive do dever cristão de testemunhar a verdade.

FAÇA DESTE BLOG SUA PÁGINA INICIAL